<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:1158-1</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b></b><br><table width="100%"><tr><td width="60">1158-1</td><td><b>Famlias em situao de pobreza: do risco proteo</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Andrea Cristina Lovatto </u> (UFPA - Universidade Federal do Par) ; Alcindo Antonio Ferla (UFPA - Universidade Federal do Par) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>O objetivo deste estudo, que consistiu em uma reviso sistemtica de literatura, foi identificar as especificidades dos contextos familiares em situao de pobreza com vistas anlise do cuidado em sade. Nas fontes pesquisadas constatou-se que nesta camada da populao as famlias possuem caractersticas prprias, muitas vezes desconhecidas pelos profissionais da sade. A primeira delas a forma como se estruturam estas famlias, que diferem do modelo nuclear presente no imaginrio social. O grupo familiar no parece ser vinculado por laos de sangue, mas por laos de confiana estabelecidos. Outras situaes comuns so a "circulao de crianas" (crianas que passam parte da infncia morando com cuidadores que no os pais) e a famlia ampliada, considerada uma estratgia adaptativa em situao de pobreza. Percebe-se que, inclusive para profissionais de sade, estas caractersticas so desconhecidas e as famlias pobres ainda so consideradas patolgicas e incapazes de atender s necessidades dos filhos. Pode-se observar tambm que diversas situaes de risco esto presentes na vida das crianas e famlias de todas as classes sociais, porm as populaes mais vulnerveis so aquelas que vivem em situao de pobreza, devido multiplicidade de adversidades a que esto expostas. neste contexto que encontra-se na literatura o conceito de resilincia. Os fatores de proteo favorecem a resilincia e parecem reduzir os impactos do risco. A literatura registra tambm o conceito de resilincia familiar, que se assemelha ao da resilincia individual, porm o foco est na habilidade da famlia como um todo de superar as adversidades. De um modo geral, os dados obtidos enfatizam a importncia do conhecimento da diversidade cultural existente entre os grupos sociais que co-existem em nosso pas, para a realizao de um trabalho efetivo com a populao mais pobre. Esse conhecimento fundamental para os profissionais de sade, que frequentemente no tm estes aspectos considerados em sua formao, e que atuam diretamente junto s famlias carentes . Mostra-se importante, tambm, um trabalho voltado para o fortalecimento dos fatores de proteo nas famlias e um maior envolvimento dos trabalhadores da sade com a formulao das polticas pblicas. Alm disso, fundamental um maior investimento em polticas pblicas para reduzir o quadro de adversidades presente na vida de grande parcela da populao no pas.</font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;contextos familiares, pobreza, resilincia</td></tr></table></tr></td></table></body></html>