<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:1057-1</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b></b><br><table width="100%"><tr><td width="60">1057-1</td><td><b>AUTONOMIA E POLITICAS PUBLICAS. EXPERINCIA DO CURSO DE SAUDE DO M.S.T - RJ</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Francisco Martinez Yanez </u> (MST - RJ - Setor de Sade Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ; Donati Canna Caleri (ASBAMTHO - ASSOCIAO SINO BRASILEIRA DE ACUPUNTURA) ; Julia Maria do Rosario (MST - RJ - Setor de Sade Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ; Ivi Tavares Abraho Castillero (MST - RJ - Setor de Sade Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ; Debora Figueira da Silva (MST - RJ - Setor de Sade Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ; Maria Luisa da Silva (MST - RJ - Setor de Sade Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ; Maria Helena Rodriguez Dutra (MST - RJ - Setor de Sade Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ; Adair Pereira (MST - RJ - Setor de Sade Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ; Leticia Mendes Ricardo (ENSP - ESCOLA NACIONAL DE SAUDE PUBLICA SERGIO AROUCA) ; Maria das Graas Silva de Oliveira (MST - RJ - Setor de Sade Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ; Andreia Lemos de Oliveira (MST - RJ - Setor de Sade Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ; Beatriz Silva do Nascimento (MST - RJ - Setor de Sade Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>Caracterizao do problema: Frente necessidade de construir um Coletivo de Sade para discutir e enfrentar os principais problemas e demandas de sade no campo, organizar um setor que esteja presente nos acampamentos e assentamentos de Reforma Agrria no Estado, conquistar autonomia nos cuidados de sade com prticas acessveis e populares e defender as conquistas sociais, o MST  RJ vem organizando desde 2006 um curso de formao de Agentes de Sade. Experincia: O Curso organizado em 8 etapas (800h) e utiliza a metodologia da alternncia, sendo realizado durante10 dias a cada 2 meses, intervalo em que os educandos retornam suas reas e praticam / multiplicam o que foi estudado no Curso. Tem como foco: a) terapias naturais: exerccios corporais, shiatsu, moxabusto, acupuntura e uso de plantas medicinais; b) polticas pblicas em sade; c) promoo e preveno em sade e primeiros socorros; d) agroecologia. A primeira turma aconteceu entre 2006 e 2008 e a segunda entre 2008 e 2010. Ao todo foram formados 20 terapeutas populares, sendo os educandos da primeira turma os educadores da segunda. O Curso foi autosustentado com produtos fitoterpicos e fitocosmticos produzidos durante o mesmo. Efeitos: - Observou-se uma apropriao do saber e democratizao do mesmo ao ser multiplicado; - O saber popular presente sobretudo no uso das plantas medicinais foi respeitado e incorporado permanentemente no Curso; - As diversidades (idade, sexo, escolaridade, experincias, necessidades) foram respeitadas e estimulada a troca de saberes. - A experincia ocorreu num contexto de luta pelas polticas pblicas de Reforma Agrria e de sade com uma permanente defesa do Sistema nico de Sade. A experincia do Curso nos permitiu discutir um conceito de sade no qual a autonomia individual e coletiva central para lutar contra as opresses. Num momento de crise ambiental no mundo, a defesa e apropriao de terapias naturais e da biodiversidade constituem elementos centrais para a defesa da vida no planeta. A apropriao coletiva do saber e a democratizao do mesmo constituem elementos que combatem o modelo hegemnico medicalizante que concentra o conhecimento nas mos dos profissionais de sade. Desafio: Para os movimentos sociais a luta pela autonomia no se contrape com a luta pelas Polticas Pblicas. Ao resgatar nossos saberes, valores e tradies aumentamos nossa fora e auto-estima; assim fortalecidos e organizados lutamos por nossos direitos. </font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;AUTONOMIA, POLITICAS PUBLICAS, AGENTES DE SAUDE</td></tr></table></tr></td></table></body></html>