<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:1018-1</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b>Poster (Painel)</b><br><table width="100%"><tr><td width="60">1018-1</td><td><b>PRTICAS DE APOIO E A PSICOLOGIA NA ESTRATGIA SADE DA FAMLIA</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Pedro Renan Santos Oliveira </u> (RMSFC - Residncia Multiprofissional Sade da Famlia e Comunidade) ; Mayr Lobato Pequeno (RMSFC - Residncia Multiprofissional Sade da Famlia e Comunidade) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>Este trabalho tem como cenrio a experincia da Residncia Multiprofissional em Sade da Famlia e Comunidade do municpio de Fortaleza. Neste contexto de prticas e indagaes, nasce a reflexo crtica acerca da insero do profissional da Psicologia no mbito da Estratgia de Sade da Famlia  ESF, neste municpio. Ento, a partir de nossa vivncia, este trabalho objetiva problematizar como vm sendo construdos os processos de  Apoio na prtica profissional dos psiclogos inseridos nesta realidade, esta que acontece em conformidade com as diretrizes dos Ncleos de Apoio Sade da Famlia  NASF (Brasil, 2008), que em um contexto de prticas em Sade Coletiva, e imersos em uma perspectiva territorial, orienta-se por uma atuao que preconiza a preveno e promoo sade. O  Apoio surge pra ns enquanto norte terico-prtico nas atividades com os profissionais da ESF. Sugerimos neste trabalho que a noo de Apoio se entrelace com a concepo de Cuidado, ensaiados pelos modelos que buscam integralidade e humanizao nas prticas de produo de sade (Merhy, 1998; Ayres, 2004), afim de que possamos entender as aes desse Apoio no como formas institucionalizadas de  procedimentos em sade, tpico do modelo mdico-centrado, mas em uma ao que fomente o Cuidado Sade. Sugerimos que o Apoio deve ser tambm uma ao de cuidado, de produo de sentido, e de produo de sade. No campo prtico, este operador conceitual consegue abarcar diversos eixos de aes. Entendemos esse operador em trs grupos de Cuidado no cotidiano do trabalho: Apoio Matricial, Apoio Institucional, Apoio Assistencial. Estes grupos devem ter ateno as diversas dimenses deste cuidado: fortalecimento dos processos de ampliao de saberes e fazeres dos profissionais das equipes mnimas, que esto nas micro-reas, para que sejam cada vez mais resolutivos. E, em outra dimenso, deve trabalhar diretamente junto aos usurios dos servios da ESF, j que h a necessidade fundamental da presena dessas novas categorias profissionais, em diversos cenrios de atuao (Nepomuceno, 2009). O entrelaamento desses trs grupos de Cuidado-Apoio, apontamos, pode produzir potncia no aprimoramento coletivo nas tcnicas de cuidado no mbito da sade. Esta concepo de Cuidado-Apoio pode produzir interface dos trabalhadores apoiadores com o territrio, o que produziria uma conexo real ao movimento local da comunidade.</font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;Apoio, Estratgia Sade da Famlia, Prtica Psicolgica</td></tr></table></tr></td></table></body></html>