<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:998-2</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b></b><br><table width="100%"><tr><td width="60">998-2</td><td><b>A produo do cuidado integral ao diabtico insulino dependente por meio do projeto teraputico.</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Mayra Moreira Sorrilha </u> (UEL - Universidade Estadual de Londrina) ; Soraya Geha Gonalves (UEL - Universidade Estadual de Londrina) ; Josiane Vivian Camargo de Lima (UEL - Universidade Estadual de Londrina) ; Celina Hokama (UEL - Universidade Estadual de Londrina) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>O diabetes mellitus (DM) uma doena metablica de carter crnica, e devido s limitaes causadas ao usurio uma prioridade do Ministrio da Sade. A complexidade da doena e seu impacto na vida das pessoas torna necessria uma abordagem multiprofissional com um projeto teraputico que amplie sua autonomia e diminua a incidncia de complicaes. A partir destas consideraes, entendemos que o acompanhamento do diabtico deve ser uma das prioridades da unidade de sade da famlia. Tendo em vista que sistemas de cadastramento e acompanhamento, anteriormente implantados na unidade, no conseguiram operacionalizar a continuidade do cuidado a estes usurios, buscamos estruturar uma forma diferenciada de acompanhamento que fosse adequada a realidade da unidade em que atuamos. Foi realizado o levantamento dos usurios diabticos, em uso de insulina, a partir dos aprazamentos disponveis na unidade. Em seguida os ACS atualizaram os endereos e excluram os usurios que mudaram da rea de abrangncia da unidade ou foram a bito. Pretendia-se que a equipe multiprofissional avaliasse todos os usurios diabticos insulino dependentes. Aps as avaliaes foi propiciado uma reunio de discusso dos casos e elaborao da proposta teraputica. A princpio o processo de avaliao foi organizado de modo que a enfermeira e as internas de enfermagem eram fixas, e o educador fsico e a fisioterapeuta transitavam entre as trs salas de avaliao. Porm, a presena das internas era pontual, o que impossibilitava o sistema de rodzio. Assim, houve uma nova organizao de atendimento. Fisioterapia e enfermagem passaram a realizar atendimento conjunto semanal, com um nmero menor de usurios. O mdico continuava fazendo uma avaliao posterior a destes profissionais. Devido ao trmino da residncia, o educador fsico, no fazia mais parte da equipe. Com a organizao do cuidado est sendo possvel a identificao e o acompanhamento dos usurios diabticos em uso de insulina, bem como a realizao de cuidado mais integral que permita a identificao de necessidades singulares. Nossa meta de que esse cuidado e forma de acompanhamento possa ser expandido para todos os usurios diabticos. Considerando a relevncia deste acompanhamento e que a presena do residente na unidade de sade temporria, o nosso desafio trabalhar com educao permanente em sade para que todos os profissionais da unidade se envolvam e apropriem da proposta para continuidade deste trabalho.</font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;Cuidado, Diabetes Mellitus, Servio de sade</td></tr></table></tr></td></table></body></html>