<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:948-2</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b>Poster (Painel)</b><br><table width="100%"><tr><td width="60">948-2</td><td><b>ATIVIDADE FSICA SOB O OLHAR DE UM GRUPO DE CAMINHADA</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Geder Harami Harami </u> (RMSF - Residncia Multiprofissional em Sade da Famlia) ; Flaviana Alves Dias (RMSF - Residncia Multiprofissional em Sade da Famlia) ; Karly Garcia Delamuta (RMSF - Residncia Multiprofissional em Sade da Famlia) ; Marisa Silva (RMSF - Residncia Multiprofissional em Sade da Famlia) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2><b>Introduo:</b> A relao entre qualidade de vida, envelhecimento, sade e atividade fsica vem sendo cada vez mais discutida e analisada cientificamente. Atualmente essa discusso praticamente um consenso entre os profissionais da rea da sade em que a atividade fsica (AF) um forte fator que pode determinar sucesso no processo do envelhecimento, diminuindo assim seus agravos. A AF regular favorece a uma mudana comportamental, que poder proporcionar transformaes sociais. Exerccios corretamente prescritos e orientados desempenham importante papel na preveno, conservao e recuperao da capacidade funcional dos indivduos, repercutindo positivamente em sua sade. <b>Objetivos:</b> Compreender a importncia da pratica da atividade fsica sob o olhar de um grupo de caminhada (GC). <b>Mtodos:</b> Foi realizado um estudo qualitativo descritivo. A amostra foi selecionada a partir da participao do grupo de caminhada realizado pela equipe de residncia de uma unidade de sade da famlia no municpio de Londrina, Paran. Foram convidadas para participar do estudo 33 mulheres. 16 mulheres concordaram em participar do encontro do grupo focal (GF), a idade variou entre 46 e 76 anos. Como tcnica para coleta dos dados foi utilizado o GF, com perguntas semi-estruturadas. Neste estudo focou-se o servio oferecido, os benefcios da AF e os motivos que incentivam a praticaatravs do GC. <b>Resultados:</b> O GC, servio de promoo a sade, foi referido nas falas como um espao seguro para a prtica, proporcionaou um ambiente de trabalho domstico com o bom nimo durante o dia e a diminuio do estresse, aspectos que adentram at no campo da esttica, como a satisfao de  entrar de novo em uma roupa. Quando referido a funo do grupo surgiram argumentos identificando que atravs do grupo, as atividades so mais  fceis de serem realizadas. Questes tambm do mbito da orientao quanto a pratica, no caso das consultas mdicas, incentivaram a prtica da atividade corporal. J o incentivo para a pratica da AF refere-se a questes relacionadas exclusivamente a doena. <b>Concluso:</b> A pratica da AF realizada no ambiente do grupo parece proporciona experincias compartilhadas por todos. Proporciona um ambiente/servio seguro e eficiente encontra-se em todas as falas. Corroborando assim com aspectos importantes vistos na recente literatura.</font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;atividade fsica, grupo de caminhada, grupo focal</td></tr></table></tr></td></table></body></html>