<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:881-1</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b></b><br><table width="100%"><tr><td width="60">881-1</td><td><b>Agentes Comunitrios de Sade: relato de uma atividade voltada para o conhecimento destes atores da ESF numa UBSF de Campo Grande-MS</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Patrcia Roberta Berithe Pedrosa de Oliveira </u> (PMCG - Prefeitura Municipal de Campo Grande - MS) ; Fernando P Ferrari (UCDB - Universidade Catlica Dom Bosco) ; Marina Aguillar de Souza (PMCG - Prefeitura Municipal de Campo Grande - MS) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>Caracterizao do problema: O Agente Comunitrio de Sade (ACS) um importante articulador entre os servios de sade e a comunidade. Entretanto, exatamente por residir e atuar na sua comunidade sofre forte presso, tanto por parte desta mesma, como da prpria equipe de Sade da Famlia, o que pode gerar agravos a sua sade e prejuzos em sua qualidade de vida (QV). A proposta de se avaliar a QV de ACS surgiu a partir de observaes e experincias vivenciadas por profissionais da equipe NASF no cotidiano destes profissionais. Assim, a presente atividade objetivou conhecer, atravs de abordagem qualitativa, aspectos scio-demogrficos, satisfao com o trabalho, bem como a influncia do trabalho na QV do ACS. Houve apoio matricial da Universidade Catlica Dom Bosco,de Campo Grande  MS,na realizao desta atividade. Descrio da experincia: Foram realizados trs encontros com os ACS da UBSF Z Pereira de Campo Grande  MS, sendo aplicadas, a cada encontro, dinmicas visando o entrosamento entre as agentes e o levantamento de discusses de assuntos habituais de seu cotidiano atravs de rodas de conversa. No ltimo encontro os ACS responderam individualmente e de maneira auto-administrada o instrumento WHOQOL-Bref e um questionrio complementar.Eles manifestaram a vontade de receber capacitao para desenvolverem atividades de educao em sade com a populao e sugeriram atividades direcionadas ao cuidado da prpria sade. Houve tambm momentos de desabafo quanto ao pouco reconhecimento da comunidade que , ao mesmo tempo, a fonte de recompensa pelo trabalho realizado. Dos doze ACS entrevistados 41,6% consideraram sua QV nem ruim e nem boa e 25%deles referiu insatisfao neste quesito. Chamou a ateno o uso de medicaes que foi referido por 8 ACS, dos quais 5 usavam anti-inflamatrios ou analgsicos devido a dor crnica. Efeitos alcanados: A atividade desenvolvida com os ACS permitiu uma aproximao destes com a equipe NASF, o conhecimento de como est a QV destes profissionais, alm de aspectos scio-demogrficos dos mesmos. As sugestes foram levadas Secretaria de Sade, com vistas a implementao num futuro prximo de atividades visando o bem-estar destes profissionais. Recomendaes: Esta experincia aponta para a necessidade de novas estratgias para a melhoria das condies de vida e trabalho dos ACS o que, sem dvida, poder trazer um impacto nas aes desempenhadas por esses profissionais e, conseqentemente, na sade da populao. </font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;agentes comunitrios de sade, qualidade de vida, sade no trabalho</td></tr></table></tr></td></table></body></html>