<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:771-2</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b>Poster (Painel)</b><br><table width="100%"><tr><td width="60">771-2</td><td><b>Revisitando pratica da campanha de vacina: a arte e integrao multisetorial.</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Soraya Geha Gonalves </u> (UEL - Universidade Estadual de Londrina) ; Mayra Moreira Sorrilha (UEL - Universidade Estadual de Londrina) ; Celina Hokama (UEL - Universidade Estadual de Londrina) ; Josiane Vivian Camargo de Lima (UEL - Universidade Estadual de Londrina) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>As campanhas de vacinao so estratgias do Ministrio da Sade (MS) para garantir o controle de endemias. Este estudo procura apresentar o trabalho realizado na campanha de vacinao no combate poliomielite, que foi considerada um problema de sade pblica no sculo XX. Em 1989 ocorreu o ltimo caso de poliomielite no Brasil, porm, ela no foi erradicada em todos os outros pases. Com isso, a necessidade de manter altas as coberturas de vacinao, sendo recomendado vacinao de 95% dos suscetveis. Apesar da comprovada eficcia das campanhas e o alcance de 98,05% na primeira fase da campanha no ano de 2008 na Unidade Bsica de Sade (UBS), foi o valor referente segunda fase de 2008 (86,53%) que demonstrou a necessidade da implementao de estratgias que buscassem ampliar a cobertura vacinal da campanha antipoliomielite. E para garantir uma cobertura vacinal de 95% a equipe multiprofissional da unidade elaborou previamente algumas estratgias de ao. Inicialmente houve a organizao da equipe, elencando locais, horrios e tarefas para a semana da campanha, que antecedeu o dia  D . Dentre as estratgias houve a organizao de um posto de vacinao volante em uma regio de chcaras que se localiza distante da unidade. Dentre escolas e centros de educao infantil (CEI) da regio foram selecionadas duas escolas e os dois CEI. Como uma estratgia de interao entre profissionais de sade com as crianas, foi utilizada fantasias de personagens infantis pelos Residentes em Sade da Famlia. Dentre outras parcerias, a unidade contou com auxilio de dois mercados da regio. Um deles ficou responsvel pela divulgao do dia  D com o uso de seu carro de som e o outro cedeu um espao para realizao de vacinas. A unidade tambm contou com a ajuda do Tiro de Guerra, que manteve no dia da campanha um posto de vacinao. No sbado, dia  D , o prdio foi decorado com temtica junina, msicas infantis, utilizaram fantasias temticas e distribuio de doces com a imagem do Z Gotinha. Assim, foi possvel atingir a marca de 99,63% de crianas imunizadas na primeira fase de 2009. Que somado as outras regies da cidade trouxe a Londrina 102,38%. Esse valor superior a 100% devido s crianas de outras cidades que vem por diferentes motivos Londrina e so vacinadas. Com isso, foram eficazes todas as estratgias realizadas e deixa-se evidente que devem ser mantidas estas estratgias dentre outras que podem ser acrescentada no decorrer de novas campanhas.</font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;Crianaa, Cuidado, Programas de imunizao</td></tr></table></tr></td></table></body></html>