<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:548-1</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b>Poster (Painel)</b><br><table width="100%"><tr><td width="60">548-1</td><td><b>Conhecimento popular em plantas medicinais e fitoterpicos como instrumento para gesto do auto-cuidado</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td>Niani Emanuelle Deitos (UCS - UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL) ; <u>Pauline Casarotto </u> (UCS - UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL) ; Solange Indicatti Molon (UCS - UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL) ; Luciano Plnio Moraes (UCS - UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>Esta experincia se deu a partir do trabalho de concluso da Especializao em Gesto Participativa Polticas Pblicas e Sade, tendo por finalidade uma vivncia participativa, em uma comunidade da cidade de Caxias do Sul. Sabendo que o Brasil o pas com maior biodiversidade do planeta,associado a uma rica diversidade cultural e tnica, em diversos pases inclusive no Brasil as plantas medicinais so utilizadas h milnios para fins teraputicos. Na localidade de Criva, interior da cidade de Caxias do Sul, serra gacha, as razes so de descendncia italiana, os colonos que colonizaram a regio no dispunham de servios mdicos naquela poca, sendo que as plantas medicinais e os conhecimentos empricos supriram a necessidade de cura e cuidado. Esses conhecimentos foram passados de gerao em gerao, e hoje a maioria dos habitantes desta localidade sabe alguma receita com plantas medicinais para promover seu auto-cuidado e de sua famlia. Estar em contato com a escola da localidade como veculo de comunicao e educao permanente uma estratgia para mobilizar e estimular a populao na troca de conhecimentos. O grupo tem a escola como parceira para entender, e promover o auto-cuidado e a troca de conhecimentos da populao sobre o uso de plantas medicinais e fitoterpicos, tendo como por certo de que este um recurso ao acesso de todos. O auto- cuidado tem se apagado nos ltimos anos, onde o modelo mdico-assistencial hegemnico tira o usurio de cena, sendo que ele no mais um ator, mas sim um paciente como to amplamente conhecido. Divulgar a poltica de plantas medicinais e fitoterpicos do SUS, promover debate e troca de informaes sobre o tema, promover oficinas com a comunidade e construir com a populao uma horta onde todos tenham acesso s plantas medicinais so estratgias para mobilizar a escola e populao local a produzir o auto-cuidado atravs da utilizao de plantas medicinais e fitoterpicos.</font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;Plantas medicinais e fitoterpicos, Comunidade, Auto- cuidado</td></tr></table></tr></td></table></body></html>