<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:542-2</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b>Poster (Painel)</b><br><table width="100%"><tr><td width="60">542-2</td><td><b>A EXTENSO POPULAR E SUAS IMPLICAES NA FORMAO DOS TRABALHADORES DE SADE</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Rebecca Cabral de Figueirdo Gomes Pereira </u> (UFPB - Universidade Federal da Paraba) ; Dailton Alencar Lucas de Lacerda (UFPB - Universidade Federal da Paraba) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>A sade deve ser entendida como um bem e um direito social no sentido de que cada um e todos possam ter assegurados o exerccio e a prtica deste direito. Esta lgica foi incorporada no nosso pas a partir da Reforma Sanitria, que culminou com a criao do SUS. A aproximao entre servios de sade e instncias formadoras de profissionais de nvel superior, vir pela implementao das Diretrizes Curriculares Nacionais, possibilitando mudanas em busca da ateno integral de indivduos, famlias e comunidades. O objetivo deste estudo analisar a influncia das tecnologias desenvolvidas pelos trabalhadores de sade nas experincias da extenso popular da UFPB relacionadas produo do cuidado em sade. Os informantes-chave foi uma representao aleatria dos trabalhadores da sade que, durante sua formao, participaram de projetos de extenso popular da UFPB. Foram entrevistados doze trabalhadores de sade, de sete diferentes profisses. Todos os entrevistados participaram da extenso popular por no mnimo dois anos. As entrevistas foram transcritas na ntegra e analisadas a partir da modalidade anlise do discurso. As categorias analticas foram a Educao popular, a Extenso popular e a Produo do trabalho em sade. As categorias emergentes foram: Importncia da extenso popular na formao, Elementos apreendidos na extenso popular presentes no trabalho em sade e Representao social das tecnologias apreendidas na extenso popular. As categorias analisadas apontam para a afirmao de que as experincias da extenso popular oportunizam aos seus participantes mergulhar em dimenses que no so vistas em qualquer outra atividade acadmica. Assim, a Extenso Popular provoca a construo e apropriao de um saber que s pode ser experimentado a partir do contato com grupos subalternizados mediado pela Educao Popular, contribuindo para uma formao diferenciada, que supera o modelo tecnicista ainda predominante na rea da sade. Destaca-se a percepo do trabalho de sade para alm da assistncia, a importncia da extenso popular na formao desses trabalhadores a partir de suas prprias falas, que a apreenso das tecnologias leves durante a extenso popular permite uma mudana na concepo de mundo e transformao da formao acadmica. Essas alteraes na formao garantem uma parcela da garantia da sade enquanto conquista e direito social, visto que a formao de novos profissionais considerada, por muitos autores, um dos ns crticos do SUS.</font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;extenso popular, educao popular, produo do cuidado em sade</td></tr></table></tr></td></table></body></html>