<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:497-1</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b>Poster (Painel)</b><br><table width="100%"><tr><td width="60">497-1</td><td><b>A CONTRIBUIO DA TERAPIA OCUPACIONAL NA CONSTITUIO DE GRUPOS SOCIAIS E ASSOCIAES COMO ESTRATGIAS DE GARANTIR OS DIREITOS INVIDUAIS E COLETIVOS PARA PESSOAS COM ESCLEROSE MLTIPLA</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Silvani Vargas Vieira </u> (UNIFRA - Centro Universitrio Franciscano) ; Amara Lcia Holanda Tavares Battistel (UFSM - Universidade Federal de Santa Maria) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2><b>Caracterizao do problema:</b> Desde a criao do Sistema nico de Sade, a constituio de 1988 e a Coordenadoria Nacional para Integrao da pessoa com deficincia Fsica em 1989, tem havido uma crescente preocupao com a qualidade de vida do ser humano, e a consequente busca da sociedade pela assistncia integral em sade. Parte das estratgias identificadas est relacionada ao controle social por meio da constituio de grupos e movimentos sociais. Embora a Esclerose Mltipla venha sendo representada por organizaes e movimentos populares de sade desde a dcada de 80, so poucos os registros encontrados sobre as reenvidicaes das pessoas com a doena. Nesse sentido iniciou-se um projeto de extenso da Terapia Ocupacional em ateno a pessoas com Esclerose Mltipla. Durante o projeto, questionou-se, como a constituio de grupos sociais e associaes podem contribuir para proposio de estratgias que garatam os direitos das pessoas com esclerose Mltipla. <b>Descrio da experincia:</b> Caracterizado pela abordagem de metodologia qualitativa do tipo investiga-ao, o grupo passou a centrar suas discusses na perspectiva dos agravos da doena em relao ao respaldo das polticas pblicas, partindo da idia que a Esclerose Mltipla assim como outras patologias atinge a determinados grupos sociais que precisam receber uma ateno diferenciada por parte do estado. Assim, o grupo passou a organizar-se como entidade filantrpica na busca de garantir os seus direitos. <b>Efeitos alcanados:</b> Atualmente o projeto tem apresentado importantes resultados e conquistas. Criou-se a Associao do Portadores de Esclerose Mltipla de Santa Maria e regio (APEMSMAR). Organizou-se grupos de assistncia domiciliar onde uma equipe interdisciplinar, composta por acadmicos, professores e pacientes interagem de forma ativa para encontrar estratgias de melhorar a qualidade de vida dos sujeitos, e a gerao de renda para manuteno da associao. <b>Recomendaes:</b> Para o portador de Esclerose Mltipla, existe ainda um longo trajeto de lutas pela conquista de direitos. Porm, para esse grupo, o imaginrio de uma doena incapacitante tem sido desmistificado atravs de prticas interdisciplinares, baseadas em um novo conceito de sade. Tal argumento pode ser exmplificado atravs do slogan adotado pelo grupo para expor seu atual convvio com a doena: "o importante viver bem!"</font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;Cidadania, Direitos, Esclerose Mltipla, Terapia Ocupacional</td></tr></table></tr></td></table></body></html>