9º Congresso Nacional da Rede Unida Saúde é construção de vida no cotidiano: educação, trabalho e cidadania
ResumoID: 446-1

GRUPO DE PACIENTES INTERNADOS: UMA PROPOSTA DE INTEGRAÇÃO E ENTRETENIMENTO

Autores Patrícia Riegel, Paula Mousquer, Malviluci Pereira, Paula Stoll, Renata Dall’Agnol, Kyrie Rosa
Instituição 1. HNSC, Grupo Hospitalar Conceição, Avenida Francisco trein, 596/Bairro Cristo Redentor

Resumo:

Introdução: O tratamento onco-hematológico, por vezes, exige períodos prolongados de internação hospitalar, seja para administração de quimioterapia, manejo de efeitos adversos e/ou complicações da doença. A hospitalização pode se configurar como um evento ansiogênico ao paciente devido às modificações de seus hábitos de vida, à falta de convívio social com familiares e amigos e à necessidade de compartilhar espaços com pessoas até então desconhecidas. Nesse contexto, a realização de atividades de lazer pode ser entendida como uma estratégia favorável para a minimização dos efeitos negativos da hospitalização, possibilitando maior humanização e integralidade do atendimento prestado. Este trabalho tem por objetivo descrever a experiência da realização de um grupo de atividades de lazer para pacientes internados na unidade de Onco-Hematologia de um hospital público de Porto Alegre/RS. Método: Relato de experiência. Resultados: Este grupo vem sendo realizado semanalmente, coordenado por residentes das diferentes áreas: enfermagem, farmácia, fisioterapia, nutrição, psicologia e serviço social. Participam do grupo pacientes com adequadas condições clínicas e imunológicas. As atividades são propostas e realizadas conforme as diferentes faixas etárias, englobando aspectos lúdicos (jogos com baralho de cartas, dama, xadrez, bingo) e manuais (pinturas, desenhos, tricô, fuxicos). Observa-se que os pacientes têm obtido satisfação ao participar destes encontros, conseguindo trocar experiências pessoais, fortalecer o relacionamento entre eles e com a equipe de saúde. O Grupo serve como espaço para amenizar a dor emocional decorrente do adoecimento/hospitalização, além de reforçar habilidades pessoais para enfrentar o tratamento de forma mais eficiente. Conclusão: Resgata-se, através destes espaços de lazer, a perspectiva humana na assistência à saúde, ou seja, uma atuação para além do combate ao adoecimento, enfatizando o bem-estar e a subjetividade de cada paciente, atingindo assim novas potencialidades terapêuticas. A inserção da equipe de saúde neste espaço permite exercitar um olhar integral, a visão do indivíduo num contexto fora do modelo de “cuidador e ser cuidado” permitiu mais trocas, tanto dentro deste ambiente como no contexto da internação

Palavras-chaves: integração, proposta, pacientes