<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:399-1</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b>Poster (Painel)</b><br><table width="100%"><tr><td width="60">399-1</td><td><b>Construo de um Processo Coletivo Evidenciado Atravs de uma Pesquisa de Clima Organizacional</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Lisandra Alves Nascimento </u> (GHC - Grupo Hospitalar Conceio) ; Ana Cristina Selbach Nozari (GHC - Grupo Hospitalar Conceio) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>O GHC, em sua Poltica de Avaliao e Desenvolvimento de Pessoas utiliza um dispositivo de avaliao ascendente em que trabalhadores avaliam seus gestores. Ao final do ano de 2009, uma referncia da Gesto do Trabalho, Educao e Desenvolvimento foi procurada, pois uma equipe, de produo em sade com foco assistencial, havia avaliado seu gestor com conceitos regulares em alguns itens e este gestor, preocupado com a situao, compreendia sua avaliao distinta da percepo da equipe. A partir dos elementos trazidos pelo gestor e expostos em sua avaliao, que cumpre com seu papel, sinalizou-se a necessidade de trabalhar com o grupo uma vez que a avaliao poderia representar o momento vivido pela equipe e a necessidade de interveno no grupo e no apenas com o gestor. Para tanto, a Sade do Trabalhador foi convidada a se integrar ao processo. Apresentou-se a proposta de realizao de uma pesquisa de clima organizacional, esta que em reunies, recebeu o consentimento pelo grupo. Aps realizada, a pesquisa pode proporcionar a percepo de que as principais motivaes da equipe estavam diretamente relacionadas a seu processo de trabalho e que os aspectos desmotivadores encontravam-se nas inter-relaes indivduo-indivduo, indivduo-equipe, equipe-equipe, principalmente entre os turnos de trabalho. Ao longo do processo, houveram reunies em que pudemos debater sobre a proposta, a anlise dos resultados e propor que a equipe se organizasse/mobilizasse para enfocar aspectos a serem trabalhados e propostas. Assim, foram institudas lideranas para este movimento que, legtimo, contou com o protagonismo de seus membros utilizando caixinhas de sugestes para expressar suas idias. Com os resultados disponveis nas caixinhas de sugestes e partindo do momento vivido pelo grupo, se estabeleceu a proposta de interveno por meio de oficinas com enfoque no desenvolvimento interpessoal. As oficinas dividiram-se em processos de trabalho e condensaram os trs turnos. Ainda em andamento, as oficinas j apresentam elementos que sinalizam envolvimento, participao e engajamento dos funcionrios. Cabe ressaltar a importncia e multiplicidade dos movimentos - avaliao de desenvolvimento, reunies, pesquisa de clima organizacional, lideranas naturais, caixa de sugestes (pesquisa interna) e oficinas relacionais - deste caso e a dinmica caracterstica da educao permanente evidenciada. </font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;Educao Permanente, Clima Organizacional, Construo Coletiva</td></tr></table></tr></td></table></body></html>