<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:383-2</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b>Poster (Painel)</b><br><table width="100%"><tr><td width="60">383-2</td><td><b>Os desafios de ser facilitador no VER-SUS/UNISC</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Gisele Santin </u> (UNISC - Unuversidade de Santa Cruz do Sul) ; Juliana Tavares Ferreira (UNISC - Unuversidade de Santa Cruz do Sul) ; Cntia Cristina Sulzbach (UNISC - Unuversidade de Santa Cruz do Sul) ; Dbora Martins (UNISC - Unuversidade de Santa Cruz do Sul) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>O VER-SUS um projeto que nasceu em 2001 no Rio Grande do Sul, na Escola de Sade Pblica, e em 2004 se transformou num projeto Nacional do Ministrio da Sade, chamado VER-SUS/Brasil. Atualmente ele no se constitui mais num projeto financiado pelo Ministrio da Sade. Fato que motivou os estudantes do Grupo de Estudos e Trabalhos em Sade Coletiva (GETESC), juntamente com a Universidade de Santa Cruz do Sul e com as Secretarias Municipais de Sade e Educao de Santa Cruz do Sul, a assumirem a autoria e o financiamento do mesmo. O VER-SUS/UNISC foi uma experincia de protagonismo estudantil vivido na sua radicalidade, pois os estudantes tomaram a frente desde sua elaborao at sua execuo. Neste projeto, a figura de professor coordenador substituda pelo professor de referncia, a quem os estudantes recorrem para dar conta das questes institucionais que atravessam o projeto. So os prprios estudantes que autogestionam o trabalho, para isso, entra em cena a figura do estudante facilitador. A idia de facilitador e no de coordenador, d visibilidade a uma proposta de formao horizontal onde o estudante tem papel ativo e contribui para despertar o protagonismo de cada um no grupo atravs de iniciativas que visem a gesto e a transformao enquanto um coletivo que pensa a sua realidade. Os efeitos alcanados comearam a aparecer j durante a vivncia quando alguns estagirios demonstravam interesse em discutir seu futuro plano de interveno, quando manifestavam idias para melhorar o andamento das atividades e da organizao do prprio grupo e principalmente criou-se um espao onde todos traziam as suas experincias e os seus conhecimentos para juntos aprendermos e refletirmos sobre a realidade da sade pblica no municpio. A partir dessa vivncia podemos indicar que a figura do facilitador foi algo muito difcil de ser administrada tanto pelos estagirios quanto pelos prprios facilitadores porque uma proposta inovadora que implica a todos no aprendizado e na gesto das atividades do grupo. Quando no existe uma relao hierrquica, a responsabilidade de cada um e assim, preciso a implicao de todos para que se aprenda e se avance nas discusses e reflexes que a vivncia propicia. O facilitador um mediador, ele a referncia para as questes de funcionamento e organizao, mas no quem ir cobrar a presena, o horrio e sim, algo que o grupo ir discutir e trazer a todos para ser estabelecido os limites de convivncia grupal. </font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;Protagonismo Estudantil, SUS, Facilitador</td></tr></table></tr></td></table></body></html>