<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:328-2</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b>Poster (Painel)</b><br><table width="100%"><tr><td width="60">328-2</td><td><b>(Re)descobrindo a cidade: Um Percurso da Terapia Ocupacional s Trocas Sociais </b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Brbara Leite </u> (UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>O Ministrio da Sade, com a aprovao da Lei 10.216(Brasil 2001), prope uma poltica de sade mental, afirmando como meta a substituio progressiva dos hospitais psiquitricos por uma assistncia comunitria. Nesta, o novo lugar de tratamento de sujeitos em sofrimento psquico. As condies nas quais esses servios foram, e vm sendo, implantados, apontam um modelo em construo, em que os CAPS,constitudos com uma equipe interdisciplinar, oferecem o cuidado na ateno sade mental. Assim, esses servios pretendem que o sujeito em sofrimento seja assistido em sua comunidade, lugar esse onde acontecem as relaes sociais. Apontando a comunidade como lugar de partida para o tratamento que resulta na manuteno de vnculos e no mais a segregao manicomial e sim na direo da reabilitao psicossocial, na construo e reconstruo de laos sociais que em algum momento foram rompidos aps a crise psquica. Com isso, surge a vivncia na construo de um grupo de grupo de atividades culturais em um CAPS com a necessidade de repensar um dispositivo, um espao grupal de trocas sociais e circulao pelos espaos da cidade. Buscou-se criar estratgias juntamente com os sujeitos envolvidos para que eles pudessem, estar em outros lugares e explorar outras dimenses da cidade em suas vidas. (Re)descobrindo espaos da cidade possveis de trocas sociais significativas que lhes fizessem sentido, desde os seus desejos e historias de vida, respeitando suas potencialidades e dificuldades, assim ressignificando a sua experincia de vida. A partir disso, a Terapia Ocupacional se v engajada nessa luta e instigada a criar dispositivos compartilhados de interveno teraputica, favorecendo o exerccio de cidadania, propondo-se a descobrir novas possibilidades de reinsero, atravs da ampliao do relacionamento interpessoal e lugares na cidade. Os recursos teraputicos se voltam para a reabilitao a partir da sua reinsero, atravs de diferentes vivncias em atividades culturais e de lazer, proporcionando aos usurios, experincias coletivas, auxiliando, dessa forma, na reconstruo desses laos sociais: comunitrios, de amizade e de uma possvel aproximao com o trabalho. A estratgia principal conquistar maior autonomia, propondo a explorao de espaos no restritos ao tratamento. </font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;Cidade, Trocas sociais, Terapia ocupacional</td></tr></table></tr></td></table></body></html>