<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:169-3</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b>Poster (Painel)</b><br><table width="100%"><tr><td width="60">169-3</td><td><b>OS LIMITES AO PLENO EXERCCIO DA AUTONOMIA PROFISSIONAL DOS FISIOTERAPEUTAS: IMPLICAES NA QUALIDADE ASSISTENCIAL</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Ana Ftima Viero Badar </u> (UFSM - Universidade Federal de Santa MariaUNB - Universidade de Braslia) ; Dirce Guilhem (UNB - Universidade de Braslia) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>INTRODUO: Os dados desse trabalho so recortes dos estudos apresentados na tese de doutorado  tica e biotica na prxis da fisioterapia: desvelando comportamentos - 2008. Objetivo: Evidenciar os elementos relacionados ao exerccio da autonomia profissional dos fisioterapeutas, no que diz respeito s relaes intra e interprofissional, aos locais de trabalho e suas implicaes na qualidade da assistncia prestada. Mtodo: A pesquisa foi realizada por meio de entrevistas com 26 fisioterapeutas, selecionados intencionalmente de acordo com a rea, o local e os nveis de atuao. Utilizou-se a tcnica de anlise de contedo temtica para a interpretao e discusso dos resultados. Resultados: Na categoria  Relacionamento intraprofissional , foi apontado a pouca interao entre os profissionais e a carencia de melhor relao de respeito entre os colegas. A competio, gerada pela desvalorizao econmica da categoria, trouxe uma postura individualista e a desunio da classe. Na categoria  Relacionamento interprofissional , emergiu a distino entre a categoria dos mdicos e a de outros profissionais. Alguns mdicos desconsideram o trabalho da fisioaterapia. O desconhecimento das competncias e atividades da profisso, os fazem assumirem condutas fisioteraputicas equivocadas, gerando srios prejuzos para a assistncia. J, o relacionamento entre outros profissionais da sade foi apontado como harmonioso, cooperativo e respeitoso. Na categoria  a autonomia dos fisioterapeutas na assistncia em clnicas/consultrios e na internao hospitalar , observa-se que autonomia dessses profissionais exercida de acordo com as reas de atuao e os locais de trabalho. Nas clnicas e nos consultrios, h maior liberdade para desenvolver as suas atividades, apesar de os convnios e as indicaes mdicas limitarem a assistncia. Nos hospitais, o exerccio da profisso mais limitado em decorrncia da prescrio mdica, da estrutura organizacional dos servios, da restrio de sesses conveniadas e da carncia de fisioterapeutas nas unidades. Concluso: Os fisioterapeutas enfrentam limitaes ao pleno exerccio de sua autonomia, caracterizada por dilemas nas relaes intra e interprofissionais. Tambm, as limitaes impostas pela estrutura do sistema de sade, pelas relaes de trabalho, pela cultura popular centrada no poder da medicina e, a formao acadmica que perpetua esse sistema, foram apontados como fatores limitantes da autonomia profissional. </font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp; Autonomia, Fisioterapia (Especialidade, Prtica PROFISSIONAL</td></tr></table></tr></td></table></body></html>