<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:131-1</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b></b><br><table width="100%"><tr><td width="60">131-1</td><td><b>A DIMENSO ESTTICA DO AGIR EM SADE: TRAGICAMENTALIDADE E GOVERNAMENTALIDADE NA PRODUO DO CUIDADO</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Ricardo Luiz Narciso Moebus </u> (UFOP - UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETOUFRJ - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO) ; Emerson Elias Merhy (UFRJ - UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>Introduo: A Reforma Psiquitrica no Brasil tem produzido indiscutivelmente novas modelagens assistenciais, novos dispositivos de ateno em sade mental, e novas prticas de produo de cuidado psicossocial. O modo psicossocial de produzir cuidado enfrenta o desafio cotidiano de tentar encarnar uma nova tica em defesa da vida e da cidadania dos portadores de sofrimento mental, mas tambm uma nova esttica, na validao das formas de existir. Objetivos: Para dar visibilidade s possveis inovaes no campo das tecnologias leves e leve-duras que operam nestes novos servios, faz-se necessrio esclarecer melhor que nova esttica seria esta que atua a. Mtodo: Esclarecer esta esttica requer uma reflexo sobre a idia de trgico, sobre o sentido do fenmeno trgico, sobre a tragicidade. Resultados: Na passagem de uma  potica da tragdia para uma  filosofia do trgico encontramos o entendimento da esttica como toda resposta humana para fazer frente questo da crueldade, do sombrio e do aterrador que se encontram no mundo. Neste sentido, contrapem-se duas estticas, uma que preconiza desviar o olhar do que h de sombrio e tenebroso na vida, negando estas dimenses do humano, uma esttica unicamente apolnea, profundamente racionalista em sua pretenso de clareza, uma  esttica socrtica nas palavras de Nietzsche, propondo um caminhar progressivo na direo da conscincia. E uma outra esttica, que resgata as dimenses dionisacas, em uma afirmao mais integral da vida, reconhecendo suas foras grotescas, cruis, imprevisveis, obscuras, uma esttica do saber trgico. Concluses: A dimenso esttica do agir em sade a ser sustentada no trabalho vivo em ato nestes servios substitutivos atualiza um confronto entre uma perspectiva apolnea, racionalista da vida, e uma perspectiva trgica da vida, que reconhece e admite uma convivncia possvel com as dimenses trgicas que a vida humana comporta, com seus inumerveis estados do ser, com sua diversidade de formas de existir. Sendo portanto uma tal esttica trgico-dionisaca a que pode suportar prticas de liberdade.</font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;PRTICAS DE SADE, PRODUO DO CUIDADO, SADE MENTAL</td></tr></table></tr></td></table></body></html>