<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:123-1</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b>Poster (Painel)</b><br><table width="100%"><tr><td width="60">123-1</td><td><b>O acolhimento como ferramenta na mudana do processo de trabalho em uma Unidade de Sade de Ateno Primria - Porto Alegre/RS. </b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Rossana Rad Fernandez </u> (GHC - Grupo Hospitalar Conceio) ; Gelson Antonio Iob (GHC - Grupo Hospitalar Conceio) ; Roberto Optiz Gomes (GHC - Grupo Hospitalar Conceio) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>Caracterstica do problema: A USPM, vinculada ao Grupo Hospitalar Conceio (GHC), se caracterizava desde sua fundao como uma Unidade de Sade (US) mdico-centrada. O atendimento da demanda espontnea dos usurios do territrio de abrangncia se dava por meio do sistema de fichas  consulta dia . Este modelo priorizava a ordem de chegada como nica forma de seleo, no priorizando a gravidade do problema. Descrio da experincia: Em 2009 a USPM avaliou o processo de trabalho e realizou o planejamento da Unidade. Foram discutidos vrios ns-criticos, entre eles a necessidade de alterar a forma de acesso aos usurios da USPM. Havia temor por parte da equipe de modificar o processo vigente j consolidado e experimentar algo novo. Neste momento foi imprescindvel o apoio da Coordenao e dos residentes de Enfermagem, Odontologia, Farmcia e Medicina da Residncia Integrada em Sade (RIS) e Residncia Mdica em Sade da Famlia e Comunidade, que tencionaram para que houvesse uma reorganizao do servio no sentido de garantir o acesso universal, garantir a integralidade e a resolutividade das aes e um atendimento humanizado. A implantao do acolhimento como modelo tecno-assistencial se enquadra na proposta de mudana da equipe, que pretendia reorganizar o funcionamento da USPM, tendo como princpios: 1) ouvir todas as pessoas que acessam os servios de sade da US; 2) reorganizar o processo de trabalho desvinculando o mdico como nico profissional responsvel pela sade do usurio, encaminhando o usurio para uma equipe multiprofissional, que se encarregaria da escuta, orientao e encaminhamento do problema; 3) humanizar a relao profissional de sade/usurio. Efeitos alcanados: Com a mudana do processo de trabalho pode-se notar um atendimento mais humanizado com ausncia de filas na madrugada, onde todos os usurios que acessam a USPM so ouvidos por uma dupla multiprofissional e a necessidade encaminhada da forma mais adequada possvel. O profissional mdico faz parte da equipe do acolhimento atuando na retaguarda do processo. Recomendaes: Para obteno do xito fundamental que este processo seja constantemente avaliado e que sua estrutura seja modificada de acordo com a experincia adquirida. imprescindvel tambm um espao de educao permanente da equipe, para que todos possam ter um posicionamento similar frente ao usurio. </font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;Acolhimento, Processo de Trabalho, Humanizao</td></tr></table></tr></td></table></body></html>