<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:37-4</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b>Poster (Painel)</b><br><table width="100%"><tr><td width="60">37-4</td><td><b>ATUAO DE ENFERMAGEM COM O RECM NASCIDO DE RISCO E SUA FAMLIA NO CONTEXTO HOSPITALAR E DA COMUNIDADE</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Andrea Moreira Arru </u> (UFSM - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA) ; Eliane Tatsch Neves (UFSM - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA) ; Graciela Gonsalves Borba (UFSM - UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>A Mortalidade Infantil (MI) consiste no bito de crianas durante o seu primeiro ano de vida, reflete as condies de vida e de sade das populaes e o seu coeficiente utilizado como um importante indicador de sade. A Mortalidade Neonatal (MN) compreende os bitos ocorridos desde o nascimento at 27 dias de vida. Apesar dos considerveis avanos j obtidos na assistncia ao recm-nascido (RN), no perodo neonatal, sabe-se que ainda preciso progredir mais. Em sua maioria estas mortes precoces podem ser consideradas evitveis, determinadas pelo acesso a servios de assistncia ao pr-natal e acompanhamento do RN de risco. Trata-se do relato de experincia desenvolvida durante o Estgio Supervisionado II, da Universidade Federal de Santa Maria - UFSM, em dois nveis de ateno sade, focalizando a assistncia integral sade da criana e de sua famlia e/ou cuidadores. As atividades no contexto da comunidade ocorreram em uma unidade de Estratgia de Sade da Famlia e focalizaram as consultas de puericultura e as Visitas Domiciliares aos RNs de risco; tambm desenvolveram-se atividades referentes aos demais membros da famlia, com nfase s consultas destinadas s mulheres, durantes as coletas de exame citopatolgico e consultas de puerprio e realizao de grupos na comunidade. No contexto hospitalar atuou-se em uma Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal (UTIN), enfatizando-se ateno especial ao planejamento, execuo e avaliao da assistncia prestada aos RNs, incluido sua famlia como unidade de cuidado. Experincia pr-profissional que possibilitou uma viso integral das atividades do enfermeiro no Sistema nico de Sade-SUS. Destaca-se o compartilhar de saberes com as famlias de crianas consideradas de risco em dois cenrios de ateno e importncia da atuao do enfermeiro junto a tal clientela no sentido de diminuir os ndices de morbimortalidade materna e neonatal.Recomenda-se o investimento dos profissionais de sade nessa rea, tendo em vista a necessidade de diminuio da morbimortalidade infantil, em especial, pelas afeces perinatais e o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento do RN de risco no contexto da comunidade.</font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;ENFERMAGEM PEDITRICA, RECM NASCIDO DE RISCO, SADE DA CRIANA</td></tr></table></tr></td></table></body></html>