<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:31-2</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b>Poster (Painel)</b><br><table width="100%"><tr><td width="60">31-2</td><td><b>A EDUCAO EM SADE E SUA PRTICA INFORMAL NA ATENO BSICA.</b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Elisangela Pinafo </u> (UEL - Universidade Estadual de Londrina) ; Elisabete de Ftima Plo de Almeida Nunes (UEL - Universidade Estadual de Londrina) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>Vasconcelos (2008) faz uma reflexo sobre a educao popular na ateno sade dizendo que no basta os profissionais terem decises, preciso saber fazer a educao na prtica do cuidado. Neste sentido, este estudo teve como objetivo analisar a prtica educativa em sade na sua informalidade do cuidado em sade. Este trabalho um subproduto de uma pesquisa maior denominada  Educao em Sade: o cotidiano da equipe de Sade da Famlia . Trata-se de uma pesquisa qualitativa, realizada com os profissionais de duas equipes de Sade da Famlia de um municpio de pequeno porte. Foi utilizada a observao e a entrevista semi-estruturada para a coleta dos dados, e para anlise das informaes optou-se pela anlise de discurso, segundo as prticas discursivas e produo de sentidos no cotidiano. De acordo com o objetivo apresentado, emergiram trs subcategorias: A prtica da Educao em Sade na informalidade das aes, Estratgias utilizadas para a prtica educativa informal, e Temas abordados no cotidiano da Ateno Bsica. A realidade educativa apresentada pelos trabalhadores demonstrou que as prticas educativas so realizadas em sua maioria na informalidade do atendimento ao usurio, sendo considerada uma atividade individual, no organizada nem planejada, que ocorre tanto dentro da unidade de sade quanto fora, como no atendimento da demanda espontnea e da demanda programada, estando presente em todo tipo de relao entre profissional e usurio. O profissional revelou a conversa e as orientaes cotidianas como momentos propcios para a prtica educativa na Ateno Bsica. Apontaram como estratgias educativas utilizadas na informalidade das relaes, a utilizao de uma linguagem simples, com exemplos que fazem parte da vida dos usurios, assim como a utilizao de um dilogo descontrado para chamar a ateno dos pacientes. Os temas abordados permearam o universo de trabalho da Ateno Bsica, e focaram a promoo da sade, preveno de agravos, cura de enfermidades e a reabilitao do paciente, embora os temas voltados para as patologias sejam os mais solicitados e praticados. Contudo, pode-se ressaltar que a Educao em Sade produzida a partir do agir cotidiano, que reflete a produo de sentidos trazida pelas relaes das prticas de cuidado, ocorrendo de variadas formas em diferentes cenrios sendo necessrio a sua valorizao, pois so tidas como linguagem em ao, e so to produtoras de realidade quanto qualquer prtica concreta.</font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;Educao em Sade, Prticas em sade, Sade da Famlia</td></tr></table></tr></td></table></body></html>