<HTML><HEAD><TITLE>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</TITLE><link rel=STYLESHEET type=text/css href=css.css></HEAD><BODY aLink=#ff0000 bgColor=#FFFFFF leftMargin=0 link=#000000 text=#000000 topMargin=0 vLink=#000000 marginheight=0 marginwidth=0><table align=center width=700 cellpadding=0 cellspacing=0><tr><td align=left bgcolor=#cccccc valign=top width=550><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=3><font size=1>9 Congresso Nacional da Rede Unida 2010</font></font></strong><font face=Verdana size=1><b><br></b></font><font face=Verdana, Arial,Helvetica, sans-serif size=1><strong> </strong></font></font></td><td align=right bgcolor=#cccccc valign=top width=150><font face=arial size=2><strong><font face=Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif size=1><font size=1>Resumo:14-2</font></em></font></strong></font></td></tr><tr><td colspan=2><br><br><table align=center width=700><tr><td><b></b><br><table width="100%"><tr><td width="60">14-2</td><td><b>A experincia da Visita Domiciliar num servio de Sade Mental </b></td></tr><tr><td valign=top>Autores:</td><td><u>Vilma Constancia Fioravante dos Santos </u> (UNIPAMPA - Universidade Federal do Pampa) ; Beatriz Franchini (UNIPAMPA - Universidade Federal do Pampa) ; Aline Basso da Silva (UNIPAMPA - Universidade Federal do Pampa) ; Naiana Oliveira dos Santos (UNIPAMPA - Universidade Federal do Pampa) ; Maiana Pinheiro dos Santos (UNIPAMPA - Universidade Federal do Pampa) ; Luiz Antonio Fernandes Filho (UNIPAMPA - Universidade Federal do Pampa) </td></tr></table><p align=justify><b><font size=2>Resumo</font></b><p align=justify class=tres><font size=2>Municpio do interior do Rio Grande do Sul, conta somente com um CAPS tipo II (Centro de Ateno Psicossocial) e possui uma demanda reprimida de pessoas em sofrimento psquico sem acesso ao servio. Alguns desses indivduos contam com profissionais que se dispem a ir ao seu encontro e prestar cuidados onde quer os mesmos se encontrem. Para tanto, a Visita Domiciliar (VD) foi instituda como uma das maneiras para contornar essa realidade na forma de incentivo a adeso e oferta de acompanhamento e tratamento. Garantindo ainda, continuidade da assistncia fora do ambiente ambulatorial do CAPS. A experincia vivenciada a partir do acompanhamento da rotina de trabalho dos profissionais que atuam no servio. Percebeu-se ento, que a realizao de VD foi includa nas atividades desenvolvidas naquele espao, sendo umas das estratgias de ampliao da ateno em Sade Mental prestada pelo CAPS. Contudo esta modalidade de ateno naquele momento era pouco valorizada entre os profissionais, havendo pouca cooperao da equipe em realizar esta atividade. Durante o perodo percebeu-se que alguns funcionrios se destacavam na prtica das VDs e possuam grande afinidade pela clientela atendida. Esta pequena equipe era composta por dois funcionrios do setor administrativo e uma tcnica de enfermagem que exercia funo administrativa no CAPS. Estes profissionais atendiam a demanda que no chegava ao servio e tambm situaes de emergncias psiquitricas para encaminhamento ao Hospital Geral. No caso estudado, estas visitas se davam a partir de chamados da comunidade, busca ativa de usurios que optam voluntariamente por no comparecerem nas atividades propostas pelo servio, ou ainda aqueles que no tinham acesso. O contato da equipe de sade com a realidade cotidiana do usurio permite a compreenso do fenmeno sade/doena mais amplamente e traz tona a complexidade que envolve as dimenses emocional, familiar e social do indivduo. Pensa-se que experincias envolvendo o reconhecimento da realidade vivenciada pelos usurios, por parte dos profissionais, pode desmistificar a idia equivocada que estigmatiza o doente mental como incapaz de se socializar. Percebeu-se a relevncia desta atividade, visto que pode haver uma tendncia de reproduo da lgica manicomial e estereotipia de papis, quando profissionais ignoram o meio social do indivduo, no levando em conta as subjetividades dos sujeitos.</font></p><br><b>Palavras-chave: </b>&nbsp;Ateno em Sade, Sade Mental, Visita Domiciliar</td></tr></table></tr></td></table></body></html>